sábado, 30 de abril de 2016

Prefeitura na Bahia abre concurso com salários de até R$ 7 mil

Da Redação (redacao@correio24horas.com.br)
Atualizado em 26/04/2016 15:24:47
  
A prefeitura de Coração de Maria está com inscrições abertas para o concurso público que visa o preenchimento de 286 vagas efetivas para profissionais de todos os níveis de escolaridade. Os salários variam de R$ 880,00 a R$ 7.000,00, em jornadas de trabalho de 20 a 40 horas.
Os interessados deverão se inscrever pelo site da empresa organizadora, até o dia 8 de maio. Será cobrada taxa de inscrição no valor de R$ 55,00 para cargos de nível fundamental, R$ 70,00 para cargos de nível médio e de R$ 100,00 para cargos de nível superior.
A prova está prevista para ser aplicada no dia 12 de junho de 2016, em local e horário a serem informados. O concurso será válido por dois anos, contados da data da homologação do resultado final, podendo ser prorrogado uma vez por igual período, a critério da prefeitura.
Cargos disponíveis:
Assistente Social, Enfermeiro, Fisioterapeuta, Médico, Nutricionista, Odontólogo, Professor Magistério Séries Iniciais do Ensino Fundamental, Professor Magistério M II (Educação Física, História, Inglês, Matemática e Português), Psicólogo, Agente de Administração Escolar, Agente de Manutenção Escolar, Assistente Administrativo, Auxiliar de Consultório Dentário, Técnico em Enfermagem, Agente Comunitário de Saúde, Agente Serviços Gerais, Eletricista, Encanador, Motorista (Veículos Leves e Veículos Pesados), Operador de Máquina, Patroleiro, Pedreiro, Pintor, Assistente de Creche, Coveiro, Gari e Guarda Municipal.
 



Dilma aproveita Dia do Trabalho para anunciar reajuste do Bolsa Família

A presidente Dilma Rousseff vai aproveitar as comemorações do Dia do Trabalho, no domingo (1º), para anunciar um reajuste no Bolsa Família.
O dia foi de intensas reuniões no Palácio da Alvorada. A presidente Dilma Rousseff recebeu o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, para acertar duas medidas econômicas.
Uma correção de 5% na tabela do Imposto de Renda de 2017 e um reajuste nos valores dos benefícios do Bolsa Família - a partir de junho. Um reajuste que vem sendo cobrado pelos movimentos sociais. O governo diz que a medida já está prevista no orçamento.

Em São Paulo, o vice-presidente Michel Temer não teve encontros públicos neste sábado (30). Ele está em uma fazenda, no interior, e se manteve com a agenda reservada.
Mas as negociações para uma possível equipe de governo estão avançadas. O desafio agora é acomodar os interesses dos 16 partidos que votaram pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara e querem fazer parte de um governo Temer.

Por enquanto, a composição desenhada para um novo ministério está assim:

Do PMDB, Eliseu Padilha, na Casa Civil; Geddel Vieira Lima, ex-vice-presidente da Caixa Econômica no governo Dilma, citado na Lava Jato, na secretaria de Governo; o senador, presidente em exercício do partido, Romero Jucá, investigado na Lava Jato, no Ministério do Planejamento; Henrique Eduardo Alves, ex-ministro de Dilma, citado na Lava Jato, volta ao Ministério do Turismo. E Moreira Franco, que deve ocupar um cargo estratégico no governo.

Indicado pelo Partido Progressista, o médico Raul Cutait, no Ministério da Saúde.

O PSDB entraria com o senador José Serra no Ministério das Relações Exteriores, incorporando a área de comércio exterior; Alexandre de Moraes, atual secretário de Segurança Pública do estado de São Paulo, no Ministério da Justiça.

Pelo Democratas, o deputado José Carlos Aleluia no Ministério de Minas e Energia. Pelo PPS, o deputado Raul Jungmann no Ministério da Defesa.

E, do PSD, Henrique Meirelles no Ministério da Fazenda, com carta branca para indicar o presidente do Banco Central.

Marina critica banalização da palavra golpe e defende novas eleições

Candidata à Presidência da República em 2014 pelo PSB, Marina voltou a defender a convocação de nova eleição presidencial.
Mudar o tamanho da letra: Aumentar letra Diminuir letra
Marina critica banalização da palavra golpe e defende novas eleições
Foto: Agência Brasil
A ex-senadora Marina Silva (Rede) criticou a declaração do vice-presidente Michel Temer de chamar de golpe uma possível antecipação de novas eleições. “Está havendo uma banalização da palavra golpe. Estão banalizando algo muito dramático na história do país. Daqui a pouco a criança pega a bala da outra no recreio e começa a dizer que foi golpe”, afirmou Marina.“Parece que não estamos sequer honrando a memória daqueles que padeceram tanto para enfrentar uma ditadura, que, de fato, essa sim, golpeou nossa democracia." Candidata à Presidência da República em 2014 pelo PSB, Marina voltou a defender a convocação de nova eleição presidencial. Acrescentou que, para isso, o caminho constitucional deve ser definido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com a cassação da chapa Dilma-Temer, caso fique comprovado que o dinheiro da corrupção foi usado para bancar a candidatura da presidenta da República. “Só uma nova eleição poderá dar legitimidade e credibilidade a uma agenda de transição. O impeachment alcança a legalidade, mas não a finalidade. Nunca vi o vice-presidente Michel Temer fazer uma crítica à presidente Dilma. Muito pelo contrário. Até ontem, estavam praticando juntos”. De acordo com Marina Silva, antes de falar em se candidatar à presidente é necessário devolver aos brasileiros a possibilidade de votar. Caso haja nova eleição, “o Brasil não tem de ficar perdido na discussão do Estado máximo ou do Estado mínimo. Alguém já disse que o Brasil precisa do Estado necessário. Do Estado que dê conta de mobilizar o melhor da iniciativa privada, do Poder Público, da academia, do empreendedorismo social”, acrescentou. Segundo a Agência Brasil, Marina Silva defendeu que a sociedade apresente as diretrizes mais importantes para sair da crise, de modo que "todos os partidos e lideranças se comprometam com elas".

Papa pede às forças de segurança que promovam a reconciliação e a paz


  
O papa Francisco apelou neste sábado (30) às forças militares e de segurança para que ajudem a construir uma sociedade baseada "na verdade e na justiça" e as encorajou a "ser elementos de reconciliação e semeadores de paz".
Foto: AFP 
"As forças da ordem, militares e polícias, têm por missão garantir um ambiente seguro para que cada cidadão possa viver em um ambiente de paz e segurança", disse o pontífice na audiência jubilar, no Vaticano, dedicada às forças da ordem.
Por essa razão, acrescentou, as forças de segurança não têm só por missão ajudar a solucionar conflitos, mas também contribuir para a "construção da uma ordem baseada na verdade, na justiça, no amor e na liberdade".
Participaram da audiência centenas de representantes das Forças Armadas e de segurança de vários países, como a Argentina, Bolívia, Colômbia, o Equador, a Espanha, Guatemala, o Peru, México e a República Dominicana.

CBF divulga lista dos 40 pré-convocados para a Copa América


 
  

Nesta sexta-feira (29), a CBF divulgou a lista dos 40 pré-convocados para a Copa América Centenário, que será disputada nos Estados Unidos entre os dias 3 e 26 de junho. A relação conta com algumas surpresas como Paulo Henrique Ganso, Alex Teixeira e jovem Gabriel Jesus, e a ausência de atletas experientes, como o zagueiro David Luiz.
(Foto: AFP)
Marcelo, Jefferson e Thiago Silva também ficaram de fora. Como já era esperado, Neymar, que vai disputar as Olimpíadas, não foi convocado a pedido do Barcelona. Na próxima quinta-feira (5), o técnico Dunga vai divulgar a lista final com 23 jogadores.
Confira abaixo os 40 pré-convocados:
Alisson - Internacional
Diego Alves - Valência (ESP)
Ederson - Benfica (POR)
Marcelo Grohe - Grêmio
Daniel Alves - Barcelona (ESP)
Fabinho - Mônaco (FRA)
Fágner - Corinthians 
Alex Sandro - Juventus (ITA)
Douglas Santos - Atlético Mineiro
Filípe Luís - Atlético de Madri (ESP)
Gabriel Paulista - Arsenal (ING)
Gil - Shandong Luneng (CHI)
Jemerson - Mônaco (ITA)
Marquinhos - Paris Saint Germain (FRA)
Miranda - Inter de Milão (ITA)
Rodrigo Caio - São Paulo
Casemiro - Real Madri (ESP)
Elias - Corinthians 
Fernandinho - Manchester City (ING)
Luiz Gustavo - Wolfsburg (ALE)
Rafinha Alcântara - Barcelona (ESP)
Walace - Grêmio
Felipe Anderson - Lazio (ITA)
Kaká - Orlando City (EUA)
Lucas Lima - Santos
Lucas - Paris Saint Germain (FRA)
Oscar - Chelsea (ING)
Paulo Henrique Ganso - São Paulo
Philippe Coutinho - Liverpool (ING)
Renato Augusto - Beijing Guoan (CHI)
Willian - Chelsea (ING)
Alex Teixeira - Jiangsu Suming (CHI)
Douglas Costa - Bayern de Munique (ALE)
Firmino - Liverpool (ING)
Gabriel - Santos
Gabriel Jesus - Palmeiras
Hulk - Zenit (RUS)
Jonas - Benfica (POR)
Luan - Grêmio 
Ricardo Oliveira - Santos


Vice-prefeito Luciano de Edvaldo cobra videomonitoramento para Santo Estevão

 

O vice-prefeito Luciano de Edvaldo (PTN-foto) usou as redes sociais para cobrar do Governo Municipal um posicionamento quanto ao projeto de videomonitoramento para Santo Estevão. Ele alega que outras cidades, a exemplo de Sapeaçu, saíram na frente. “O Governo Municipal precisa se posicionar quanto ao videomonitoramento. Toda cidade precisa participar desta discussão: políticos, comerciantes, estudantes, enfim a população em geral. Tive notícias, de que o projeto está sendo implantado em Ipirá pelo valor R$ 150 mil”, comenta, sugerindo que seja reavaliado o planejamento anual do Município para investir no sistema. “Além de dar a todos a sensação de segurança, será mais uma ferramenta para o trabalho das autoridades policiais”, argumenta Luciano de Edvaldo

Qual a origem do termo ‘república de bananas’, usado pelo 'Guardian' para se referir ao Brasil?


 

  • 28 abril 2016
GettyImage copyrightGetty
Image captionSegundo a ONU, a Ásia é a maior produtora de bananas, seguida por América e África
Em um artigo para marcar o início do período de 100 dias que antecede os Jogos Olímpicos, o jornal britânico The Guardian afirmou nesta semana que o Rio de Janeiro “entra na reta final olímpica parecendo mais uma clássica república de bananas do que uma economia emergente moderna a ponto de assumir seu lugar entre as principais do mundo".
A publicação enumera no texto alguns problemas do Brasil, como a queda drástica do PIB, o processo de impeachment e os escândalos de corrupção, e locais, como a poluição na Baía da Guanabara, a morte de 11 trabalhadores nas construções olímpicas e a queda de parte da ciclovia Tim Maia.
Mas, de onde veio a expressão “república de bananas” – trocada na versão online do artigo por "uma república latino-americana da velha escola" –, usada de forma pejorativa para se referir a países da América Latina e Caribe? A resposta passa pelo histórico de violência da região.
GettyImage copyrightGetty
Image caption"The Guardian" usou o termo "república de bananas" para se referir ao Brasil

Ficção que virou realidade

O termo foi cunhado pelo escritor americano William Sydney Porter, conhecido como O. Henry, no conto O Almirante, de 1904
A história do conto se passa na Anchuria, país fictício descrito pelo autor como “uma pequena república de bananas”. Acredita-se, porém, que Porter tenha se inspirado em Honduras, onde morava quando escreveu a história.
À época, o uso dessa fruta em particular para rotular países inteiros tinha uma base real.
“Até o fim do século 19 e começo do século 20, as empresas americanas, sendo que a mais simbólica era a United Foods (hoje Chiquita), começaram a fazer plantações de bananas em série e criariam enclaves modernos em repúblicas da América Central”, disse à BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC, o historiador Luis Ortega, professor da Universidade de Santiago do Chile.
Image copyrightAP
Image captionA United Fruit Company virou a Chiquita Brands International, líder no mercado de bananas
Segundo ele, as “repúblicas de bananas” eram literalmente os países tropicais produtores de bananas e, com isso, dependentes da renda de empresas americanas.
Mas, como explica Ortega, o termo acabou ganhando um significado mais amplo ao migrar para os estudos políticos.
A expressão passou a fazer referência a países marcados pela monocultura e dotados de instituições governamentais fracas e corruptas, nos quais uma ou várias empresas estrangeiras tem o poder de influir nas decisões nacionais.
Para Ortega, que viveu por dez anos na Grã-Bretanha, o que chama a atenção é que os anglo-saxões não aplicam a expressão a países que estejam fora da América Latina e do Caribe.


GettyImage copyrightGetty
Image captionA banana é um alimento essencial para esportistas, pois é fácil de comer e tem muitos nutrientes
Em seu livro Cem Anos de Solidão, o escritor colombiano Gabriel García Márquez descreveu a instalação de companhias bananeiras na região como algo que trouxe modernidade, mas também violência e morte.
Em seu livro Bananas: How the United Fruit Company Shaped the World(“Bananas: Como A United Fruit Company Moldou o Mundo”, em tradução livre), o jornalista Peter Chapman afirma que, ao se instalar na região, esta e outras empresas concordavam em construir estradas, ferrovias e portos em troca de terras onde a banana seria produzida.
O truque era que, às vezes, os serviços instalados só beneficiavam as próprias companhias e seus negócios de exportação de bananas.
Mas isso não é o pior. Para citar alguns exemplos, há também o “o envolvimento da companhia em uma invasão em Honduras, um massacre na Colômbia e um sangrento golpe de Estado na Guatemala”, segundo a editora do livro, a Grove Atlantic.
Sobre a Guatemala, um executivo da United Fruit disse a Chapman que “a Guatemala foi eleita como sede das primeiras atividades de desenvolvimento da companhia porque, quando entramos na América Central, o governo da Guatemala era o mais fraco, corrupto e flexível da região”, de acordo com o jornalThe New York Times.